Estrada Real - Caminho Novo - Juiz de Fora

Depois de um dia inteiro fazendo os trechos do Caminho Novo da Estrada Real, de Itaipava até Paraíba do Sul pela manhã e de lá até Juiz de Fora (MG) a tarde, chegamos nesta cidade por volta das 18h.

A origem da cidade vem da época do Ciclo do Ouro, pois era uma região de difícil acesso e ficou intocada até o século XIX, habitando por ali somente índios puris e coroados, mas com a abertura do Caminho Novo por volta de 1707 diversos povoados começaram a surgir no caminho, entre eles o Arraial de Santo Antônio do Paraibuna, por volta de 1713. A vila só surgiu no início do século XIX. O município de Santo Antônio do Paraibuna desmembrou de Barbacena em 1850, tendo sido elevado a cidade em 1856, e apenas em 1860 a cidade passou a ser conhecida como Juiz de Fora.

Juiz de Fora vista do Hotel. Março/2016.
Diz-se que a origem de seu nome é referência a um juiz de fora (magistrado nomeado pelo Rei de Portugal para atuar em conselhos onde era necessária a intervenção de um juiz isento e imparcial, que normalmente era de fora da localidade) que hospedou-se por pouco tempo em uma fazenda da região.

A cidade possui diversos pontos turísticos para o visitante:



Museu Mariano Procópio

É o primeiro museu de Minas Gerais, fundado em 1915, com um acervo de cerca de 50 mil peças. São dois edifícios: Villa Ferreira Lage, de 1861; e o Prédio Mariano Procópio, de 1922. Mas infelizmente está fechado para restauração...

No entanto é possível visitar o Parque do Museu Mariano Procópio, com belos jardins, que já encantavam a elite brasileira no século XIX. 

Localização: Rua Mariano Procópio, 1100
Horário de Funcionamento: 08:00 às 18:00h;


Jardins do Museu Mariano Procópio. Fonte: Wikimedia



Museu de Arte Moderna Murilo Mendes (MAMM)

Inaugurado em 2005, fica no antigo prédio da Reitoria da Universidade Federal de Juiz de Fora, que administra o acervo do escritor e poeta Murilo Mendes, além de obras de artes pertencentes ao escritor. O museu abriga também volumes de história, filosofia, arquitetura, arte cênicas, entre outros.

Localização: Rua Benjamin Constant, 790
Horário de Funcionamento: Segunda das 12 às 18h; Terça a Sexta das 09 às 18h.
Entrada gratuita



Museu de História Natural e Museu da Etnologia Indígena da Academia

O Museu de História Natual de Juiz de Fora foi inaugurado em 1991, conta com um acervo de aproximadamente 1.200 exemplares, sendo possível acompanhar a evolução do homem e de sua tecnologia, desde o surgimento da espécie.

Faz parte do Núcleo Acadêmico bato Arnaldo Jansen, onde também se encontra o Museu etnológico, que contem um acervo de 1.500 peças de material indígena pré-histórico e atual, e das culturas africanas e brasileira.

Localização: Rua Halfeld, 1179
Horário de Funcionamento: Segunda a Sexta, das 12h às 18h.
Entrada gratuita
Site Oficial: Academia



Museu Ferroviário de Juiz de Fora

Inaugurado em 2003, conta a história da ferrovia na cidade e aborda os aspectos técnicos das estradas de ferro. Acesso pela Estação Ferroviária de Juiz de Fora.

Localização: Avenida Brasil, 2001
Horário de Funcionamento: Segunda a Sexta, das 9h às 17h.



Museu Usina de Marmelos Zero

Foi a primeira usina hidroelétrica da América do Sul, localizada no Rio Paraibuna, que serviu Juiz de Fora no início do século XX. Foi desativada em 1896 e abriga o Museu com as turbinas originais e informações sobre a sua existência. Era administrada pela Universidade Federal de Juiz de Fora e hoje está sendo administrada pela CEMIG.

Localização: Estrada União Indústria km 182
Horário de Funcionamento: Segunda a Sexta, de 13:30 ás 17h.
Fonte: Prefeitura de Juiz de Fora



Morro do Imperador

Inaugurada em 1906, em um dos pontos mais altos da cidade (923m de altitude), este ponto turístico é conhecido por vários nomes: "Morro do Redentor" (nome oficial), "Morro da Liberdade", "Morro do Cristo". O nome foi dado em homenagem ao Imperador D. Pedro II que sempre subia a montanha em suas visitas a Juiz de Fora para observar o crescimento local.

Mirante do Cristo. Março/2016.
A construção do Cristo no Morro do Imperador é a primeira do Brasil, com 3,75m de altura, sobre uma capela com 25m de altura.

Ali também pode ser visitado o Mirante Salles de Oliveira, com vista panorâmica para grande parte da cidade; e a primeira torre heicoidal da América do Sul, que serviu à TV Industrial, emissora pioneira em geração de imagens no interior do Brasil.

Localização: Rua Dr. João Pinheiro



Parque da Lajinha

Instalado na antiga Fazenda da Lajinha, o parque foi fundado em 1982 com uma área de aproximadamente 43 hectares, com cachoeiras, trilhas, jardins, lagos e gramados, coreto, quiosques, campo de futebol, etc.

Localização: Av. Deusdetith Salgado, s/n (no trevo de cruzamento para o Aeroporto na BR-040).
Horário de Funcionamento: 07h às 18h.
Entrada Gratuita



Parque Halfeld

O terreno onde o parque está instalado pertencia ao Engenheiro Henrique Halfeld. Conhecido originalmente como Largo Municipal e depois Jardim Municipal, e era um local descuidado. Apenas em 1901, após reforma e troca de nome para Praça Coronel Halfeld que passou a ter a devida atenção. De lá pra cá sofreu várias remodelações e apenas em 1981 sofreu a última reformulação paisagística e passou a ser conhecido como Parque Halfeld, mantendo apenas o lago, a ponte e um quiosque dos tempos de quando foi inagurado.

Localização: Rua Halfeld
Entrada Gratuita

Parque Halfeld. Março/2016.



 Além destas atrações, você poderá ver outras no site da Prefeitura no Portal do Turismo.

Nós visitamos a cidade apenas pela noite, ficando no hotel e já saindo na manhã seguinte. Até pensamos em ir no Morro do Imperador, mas preferimos prosseguir na Estrada Real e pegar o Museu de Santos Dumont com tempo bom, já que havia previsão de chuva mais tarde...

Nenhum comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Reserve seu hotel

Booking
Zarpo

Seguros de viagem

World Nomads Seguros de Viagem
Mondial Seguros
Corretora Real Seguro de Viagens

Passeios no seu destino

Viator

Aluguel de carro

Trem na Europa