Off-road - Fazendo seus rastros em mapa para seguir no wikiloc

Projeto Estrada Real continua!! Firme e forte seguiremos esse começo de mês rumo ao término do Caminho Novo, e para fazermos o Caminho dos Diamantes, o que der do Caminho de Sabarabuçu e uma parte do Caminho Velho. Vou tentar postar fotos e atualizações em nossa página do facebook e no Instagram do blog, caso estejam curiosos e queiram nos seguir. Só não prometo conectividade integral porque o celular é pré-pago e não sei a quantas andam as redes wi-fi das cidades que vamos passar.

Todas as cidades da Estrada Real. Bora encarar de novo?
Mas o que isso tem a ver com o assunto do post de hoje? Tudo né? Porque além das planilhas, que é MUITO papel para tomar conta, eu gosto de ter comigo o rastro dos trajetos no celular para servir de guia e deixar o papel para alguma eventualidade. Assim, no post de hoje vou explicar um pouco como faço isso para que você possa fazer o mesmo quando for para as suas viagens sem correr o risco de se perder pelo caminho.

No caso da Estrada Real, para minha sorte, o trabalho de mapeamento propriamente dito já foi feito pela própria equipe que "toma conta" do circuito e já carregaram boa parte das trilhas no wikiloc, com o usuário Estrada Real 2009. Mas temos que ter em mente que o trajeto foi feito de bicicleta e existem trechos que nem 4x4 passa, sendo assim, é sempre bom avaliar o que você está baixando, ok?

Se você não sabe o que é wikiloc, recomendo leitura do post Wikiloc - a comunidade dos aventureiros.

Como os trechos foram carregados individualmente e muitas vezes a gente consegue fazer mais de um trecho por dia, fica mais fácil já carregá-lo completo no wikiloc (app no celular), assim como desvios para visitar atrações, como cachoeiras, cavernas, restaurantes,... Mas para isso você vai precisar de uma ajudinha de outros softwares e sites.

Como já fizemos alguns trechos e estamos indo sozinhos, optamos em variar entre trechos de asfalto e estrada de terra para evitarmos quaisquer problemas que possam surgir, ainda mais com as meninas junto no carro. Para ajudar no planejamento das rotas, fiz testes de rotas no Google My Maps, como você pode ver no mapa abaixo, que foi o nosso planejamento para a etapa da Páscoa (que fomos de Itaipava até Barbacena, com direito a ir conhecer a nascente do Rio Doce). Esse era o nosso planejamento, mas se você já leu os posts sobre esta viagem, verá que tivemos que fazer alguns desvios, e ter os mapas acessíveis e já estudados facilitou muito a tomada de decisão durante a viagem.



Para fazer as suas rotas, escolha o Google My Maps (necessário ter conta gmail, mas hoje em dia, quem não tem?!). Basta clicar em "Criar novo Mapa" que o mapa mundi se abrirá para você. Neste mapa você poderá criar até 9 camadas. Geralmente eu uso uma camada para atrações (hoteis, restaurantes, cachoeiras, parques, locais para visitar...) e as demais eu uso para criar as rotas por dia. Você pode criar suas próprias rotas diretamente no site ou importá-las de outros locais, no formato CVS ou KML. Se você quiser testar, já deixei um arquivo prontinho com as cidades da Estrada Real para você baixar aqui. O site é bem intuitivo.

Telas do Google My Maps.
Para você adicionar outra camada, basta clicar em "Adicionar camada" e outra "tabela" vai abrir na esquerda do mapa. Para excluir ou renomear a camada, basta você clicar nos três pontinhos do lado do título da camada.

Para criar uma rota, basta clicar no ícone da seta ("Adicionar rotas") e escolher os pontos que você deseja passar e o modo como irá (carro, bicicleta ou a pé), assim o site vai calcular a melhor maneira, sendo a mais rápida e/ou mais curta. Como algumas vezes ele erra o caminho, você pode editar o trajeto sugerido arrastando um ponto da rota para a rua que você deseja passar. Vai dar um pouco de trabalho, mas é melhor fazer isso seguro em casa no PC do que se perder no meio do nada, não é mesmo?! Nesta rota, o Google My Maps apenas permite adicionar até 10 pontos de parada, que serão nomeados de A a J. Para ver detalhes da rota, como km a ser percorrida e tempo previsto, basta ir nos três pontinhos ao lado do título da camada e selecionar a opção "Rotas Detalhadas".

Como o Google My Maps depende de mapeamento das ruas, e no 4x4 ou trilha a pé isso non ecziste, ele é bastante limitado nessa situação. Para burlá-la você vai ter mais trabalho... Eu faço duas rotas, buscando acabar uma e iniciar a seguinte o mais perto possível e exporto o rastro para outro software para conectá-las. 

Para exportar um caminho do Google My Maps, basta você ir nos três pontinhos ao lado do título do Mapa que você está fazendo e selecionar a opção "Exportar para KML" e selecionar a camada que você quer exportar. O único formato que o Google My Maps exporta é o KML, e você vai precisar desses arquivos no formato GPX. Para converter, você poderá usar o site KML2GPX ou usar o software GPS TrackMaker, a versão gratuita dá conta do recado.

Tela inicial do GPS TrackMaker.

No GPS TrackMaker, basta abrir os arquivos em "Arquivo", "Abrir Arquivo". Com as trilhas carregadas, selecione a ferramenta "Desenho a mão livre" (um lápis com um "S" ao contrário nos ícones à esquerda), dê um clique no último ponto de uma trilha e continue o caminho desenhando até o primeiro ponto da próxima trilha, tomando o cuidado de clicar em cima do primeiro ponto. O Programa irá perguntar se você deseja unir as trilhas, basta clicar em sim e voilà, ele vai uni-las. Basta salvar como GPX e importar no seu app do celular, para isso basta salvar em uma pasta qualquer do seu celular e dar dois cliques no arquivo e selecionar o wikiloc para abrir. Assim, ele vai automaticamente adicionar o caminho em "trilhas gravadas".

Para usar o app wikiloc, não deixe de ler o post  Wikiloc - a comunidade dos aventureiros.

Nenhum comentário

Reserve seu hotel

Booking
Zarpo
Zarpo

Seguros de viagem

Aluguel de carro

Ingressos para as principais atrações de Orlando

Passeios no seu destino

Viator

Trem na Europa